A nova moda é reaproveitar! Mas com arte e, claro, um olhar sensato. Não basta que a peça seja útil, ela também tem que ter um design atraente. A palavra é ainda um pouco desconhecida, mas entender seu significado é transformador para você e também para quem está ao seu redor. No quartinho da pequena Maria Antônia, Ester Monteiro deu nova vida aos armários e a estante já existentes com a aplicação do mesmo papel de parede da área do berço, branco com poá preto, criando um efeito surpreendente. O princípio é muito simples e quase intuitivo: descobrir o valor das coisas simples e prolongar a vida útil dos nossos objetos. Assim, você economiza espaço no planeta e se surpreende com incríveis novas possibilidades. Este processo tem muito a dizer sobre a forma como nos relacionamos com os objetos que passam pela nossa vida. 

É mais simples do que você pensa. Para ressignificar, basta pegar algumas daquelas coisas para as quais você achou que fosse a hora de dar adeus mas não teve coragem porque elas expõem as histórias do seu próprio passado, e reutilizá-la de outra forma. Não é o mesmo que reciclagem! Apesar de ambas as técnicas abordarem a importância de recriar o que já existe, o “upcycling” é, ecologicamente falando, mais benéfico. Claro, no entanto, que existem desafios. O próprio conceito é ainda muito recente. Ele está na arquitetura, na decoração e até nas roupas, mas ainda em fase de divulgação no mundo todo. Lembre-se que tudo é impermanente, em especial os significados. É possível dar um novo sentido a qualquer coisa, a qualquer momento.

 

 

Qual a sua capacidade de reinventar significados e utilidades para os objetos da sua casa? Conte aqui pra gente!

Projeto: Ester Monteiro / Tapete de Algodão: Mimoo Toys / Roupa de Cama: Mooui  / Foto: Leonardo Costa